28/10/2007

Cap 61: Eterno conhecimento (Ruan)

Olhei para Jeni sorrindo para mim depois que nos amamos e senti uma imensa alegria no meu coração. Eu não podia exigir mais que aquele momento sublime depois de tantas demonstrações de superação e resistência dela. Não importava que se lembrasse do que vivemos se ao menos eu poderia receber seu carinho. Senti que seu corpo reconhecera o meu e não fora com menos intensidade que me quis com volúpia. Ela podia até não saber que naqueles poucos momentos de entrega fora a Jeni de sempre, mas eu, sim, era capaz de reconhecer este detalhe.

_Você é lindo... _ ela entrelaçou seus dedos entre os meus e chegou mais para perto sob as cobertas. _ ... Eu quero te contar uma coisa.

_Fala. _ apoiei minha cabeça em uma das mãos e repousei a outra sobre a sua cintura.

_Eu me lembrei de vários momentos nossos agora a pouco. Não sei se a intensidade das sensações físicas provocaram isso.

_Que ótimo. _ beijei-lhe os lábios rapidamente. _ Só espero que tenha sido boas lembranças.

_Sim, foram... ótimas... _ riu.

_Ah, me conta! _ pedi, curioso.

_Conto... ou não conto? _ ela levantou a cabeça e beijou meus lábios. _ Conto... ou demonstro?_ aumentou a intensidade do beijo.

_De sacanagem você lembra né?! _ fiz cócegas e ela riu alto. _ Você é linda demais! _ beijei-lhe o pescoço.

_Ruan. _ ela chamou-me com o mesmo jeito de outrora.

_Hum... _ lambi o lóbulo da sua orelha.

_Que nome demos a nosso filho?

_Ah, isso aí foi uma guerra! Nem quero começar agora...

_Tá! Quais eram as opções?

_Você queria Fernando e eu queria Igor.

_Hum... Será Igor, então. _ decidiu.

_Nossa, fácil assim? _ surpreendi-me.

_Ele tem que ter um nome logo! _ explicou-me. _ Não vamos mais perder tempo com isso.

_Nada de perder tempo. Isso mesmo. _ comecei a abraçá-la como se fôssemos começar tudo de novo e ela deu uma gargalhada.

_Ruan, seu sedentinho, perai! _ deu-me um tapinha no braço. _ Deixa eu te falar uma coisa.

Por que as mulheres falam tanto, meu Deus?!

_Diga... _ sorri, bem humorado.

_Eu vi os cadernos de capa vermelha que tinha escrito para você e comecei a ler.

_Bom, são seus mesmo, não tem problema. _ disse-lhe, sentindo pelo seu tom de voz cerimonioso que estava receosa que eu brigasse com ela.

_São lindos. Eu te conheço como ninguém, hen? Tudo bem que vou precisar lembrar de muita coisa ainda, mas só pelo caderno dá para ver! Você me conhece assim também?

_... _ eu não respondi prontamente, olhei-a com contemplação por mais alguns segundos. _ Aprendi a nunca deixar de querer te conhecer. Quando a gente começa a ler sobre um determinado assunto, dá aquela empolgação para descobrir todos os detalhes. Mas, conforme chegamos à sensação de ciência plena, tendemos a nos limitar ao que já temos. Satura. No amor, diferente dos estudos acadêmicos, aprendemos a nunca deixar de querer saber mais sobre a pessoa que está ao nosso lado. Muitos casais se separam por isso, por deixarem de investigar o outro e perderem a chance de se depararem com diversas qualidades boas.

_Gosto tanto de te ouvir falar. _ ela acariciou com o dedão o meu queixo e tocou os meus lábios. _ Só estar perto de você me faz me sentir tão segura, Ruan.

_E ter ficado longe durante o período do seqüestro foram os piores dias da minha vida. _ contei-lhe e beijei a sua mão. _ Não posso te perder mais por nada nesse mundo.

_Um dia eu vou morrer.

_Não fala isso! _ senti uma dor no peito com aquelas palavras. _ Nun-ca mais repita isso! _ pedi-lhe com meu rosto perto do seu.

_ ... _ ela engoliu em seco e olhou para baixo.

_Jeni, eu preciso de você quando chegar em casa para sentir que o dia vai terminar bem nos seus braços. Eu preciso te ver tomando café da manhã e debulhando os pães para tirar os miolos.
Ela riu.

_ ... Eu preciso... _ continuei. _... te ver deitada no sofá do escritório lendo algum livro, enquanto eu trabalho, só pelo simples prazer de poder te olhar e saber que está perto com a sua presença viva e cheia de energia. Eu preciso te ver sair do banho com pingos de água nos ombros e cheiro de xampu no cabelo molhado e bagunçado. Eu preciso ter alguém para quem voltar quando sair em missão e receber aquele abraço quente e apertado de boas vindas novamente. Eu preciso de alguém que me acorde com um beijo se o despertador falhar e saber o que é uma farda 3d, ou seja, que entenda o meu mundo.

_ Como descobriu que esse alguém era eu? _ perguntou-me com um olhar reflexivo.

_Quando eu não conseguia ficar longe de você. Quando você começava a brigar comigo e eu só queria te beijar. Quando você fazia tudo errado e eu tinha uma baita paciência para te ensinar. Quanto tinha benevolência com seus contínuos tropeços. Quando eu sabia que você era muito diferente de mim e, mesmo assim, eu queria arriscar te amar. Não tem um marco ao certo, eu, quando me dei conta, já era parte de uma coisa composta por nós dois que não tinha significado se fosse dividida, só existia enquanto unidade. Desculpe, não estou sendo claro... _ ri. _ Eu viajo às vezes.

_Eu entendi! _ disse-me. _ Deus põe nossas almas em corpos para que não possamos ver quem realmente somos. Imagine que nosso interior tivesse cores. O mau é preto; o mais ou menos mau, cinza; o bom, branco; o engraçado, amarelo; o apaixonado, rosa. Sem os corpos, você poderia andar pela rua e ver a pessoa do jeito que ela é, com a cor correspondente a sua personalidade. Mas, claro que não somos cromáticos por dentro. Mesmo assim, suponha que compomos um código de barras cheio de dados e que, sem a parte física, todos veriam o outro sem máscaras. Os bons ficariam com os bons e se afastariam dos maus. Conseqüentemente, os maus se tornariam piores do que são. Só que nós estamos dentro de nossos corpos e enganamos as pessoas com a nossa aparência. Assim, você pode ao tratar bem uma pessoa ruim, sem que nem imagine, mudar sua vida e sua personalidade má. Ou aquele cara barrigudinho pode ser a pessoa perfeita para uma outra que ame, mas que, se não estivesse escondido atrás daquela pequena pança, seria atacado por várias mulheres ávidas por um cara legal e romântico antes da tal mulher que seria boa para ele.

_Mas, nesse caso, você teria que ter pessoas capazes de olhar dentro, neste interior de que fala. Isso é difícil hoje em dia. A máquina do capital trabalha para revestir as pessoas em diversas camadas de maquiagem, roupas, jóias, acessórios, carros, como se fosse empilhando sobre o “eu” vários estratos. No fim, aquela essência fica tão, mas tão escondida, que deixa até de ser importante.

_Nunca deixa de ser importante. _ corrigiu. _ Porque, quando a pessoa de fato precisar, ela vai ver que não encontra. Por isso, tantos casais de artistas milionários se separam. O presidente francês Sarkozy acabou de se separar daquela ex-modelo. Se ela só olhasse as camadas de poder de que ele foi acrescentado, não estaria infeliz.

_Verdade. _ concordei. _ Eu, se passasse na rua e te olhasse, ia te achar bonitinha...

_Bonitinha? Bonitinha é feia arrumada! _ consertou.

_Eu ia te achar linda. _ corrigi. _ A mulher mais gostosa de todo o universo já antes vista nas galáxias mais remotas!

_Não precisa também me comparar aos ETs!

_Eu ia admirar sua beleza, mas não ia me aproximar de você. Imagina? Você é um bebê! _envolvi-a com meus braços e lhe beijei o pescoço.

_Mas você bem que gosta do que os “bebês” fazem!

_Engraçadinha! Então, eu ficaria de longe, não cogitaria a possibilidade de te seduzir. Eis que, loucamente, a vida me põe você dentro de casa e acabo descobrindo que preciso mais que tudo de estar ao seu lado.

_Ai, que lindo! _ beijou-me e manteve o sorriso aberto. _ Eu também preciso de você. _ encostou a cabeça junto ao meu peito e fechou os olhos.

Cobri-a com as cobertas e dormimos abraçados.

Li Mendi

--------------------------------------------------------------------
Última semana do seriado! Não perca nenhum capítulo do final emocionante!
--------------------------------------------------------------------

12 comentários:

Li disse...

Olá, amadas leitoras!
Foi tão bom poder partilhar com vocês este seriado!
Para mim era uma terapia. A cada estressante página da minha monografia, eu parava para respirar e escrever um pouco do seriado.
Jeni e Ruan representaram um desafio na construção dos personagens após a verdadeira fissura por "Caio e Bela". Ninguém queria amar Jeni e Ruan, estavam muito apegados ao livro anterior.
Ler livros é como relacionamentos, nos sentimos traindo o que antecedeu quando somos cativadas por novas pessoas.
Eu, como autora, fico aqui exercitando a escrita. Isso é bom.
Mas, antes que comecem a pensar que ficarão órfãs, nada disso!
O próximo livro está prontinho para começar.
Será um seriado bem divertido e apaixonante.
Mas o comercial dele farei amanhã.
Um beijo e um abraço apertadooo.
Li

aninha disse...

mais um seriado chegando ao fim!!! espero qeu a senhorita não me apronte nada com esses dois essa semana!!!!!

meninas, emoções a flor da pele no diário de carolina!!

não percam!!!!

www.odiariodecarolina.zip.net

sarah disse...

lindo ameiiii to kd dia mais apaixonada!!
hshsuhs

Ana Carolina disse...

Aii, gostei da descrição das cores...adorei eles dois...agora eu quero ver o ruan como pai coruja e babão!!!rsrsrsrsrsrs...

Deisinha Rocha disse...

Pára Tudo!!!!!
deixa eu ver... 1, 2, 3, 4, 5... ow God, quanto tempo afastada disso aqui... tava lo-U-ca pra dar uma passadinha aki... nem sei como andam as coisas no meu blog, viom direto pra cá...


Li... a história tá linda...
primeiro ela fica sem memória, ele deseperado... aí ela se desespera e meio q começa a odiá-lo - e por um momento achei q esse odiozinho ia demorar - e ele imapaciente... aí eles vão ao baile como um casal lindo, amigos e íntimos... aí...

*suspiro profundo....

P-E-R-F-E-I-T-O !!!!!!!!!! POR DEMAIS...

llindo mesmo...

Ah, me diverti muito nos comentários... meninas... v6 são um arrasooooooHhhhh....

Li, mil perdões por sumir sem avisar... mas continuo aki, fiél ao seu livro e no próximo livro e nou outro e no outro e para sempre...

-dando as satisfações: é que eu estou fazendo parte das danças de um congresso que vai ter aki em bsb nesse próximo feriado, então... ralando dia-e-noite pra pegar Deus sabe qntas coreografias... entã0o... até domingo q vem.... dou uma passadinha sempre q der, tah...


Lizinha... acho q já falei demais, néh... mas, sabe que eu te adoro muito, néhhhh....
rsrs


bjOo ni vc, bem grandaum...
bjOos LíviaHhhhh e mininasssss...

rsrs

Deisinha Rocha disse...

Ah... sim, claro... anciosa para o nascimento do Igor - é Igor, né...

rsrs

Lucy disse...

Aiiii que capítulo fofuxo... também vai levar carimbo: CAPITULO PROIBIDO PARA MULHERES CARENTES.

Tá lindo!!! Eles são mto felizes, neh? Apesar dos pesares... \o/ Q maravilha!!!

Bjos meninas!!! \o/

Quel disse...

Ahhh...vou sentir falta da Jeni e do Ruan!!!Assim como sinto falta do Caio e da Bela!hehehehe
Adoro demais cada capitulo das suas historias!!!mais uma chegando ao fim...sera que ficarei viciada na proxima tb? hehehe
Muito fofos esses dois!!!Brigam brigam, mas sempre se entendem!hehehe
Beijoss Li!

Nati disse...

Ai que capítulo lindooooo!

Tb amei a parte dela descrevendo as almas em cores...Demais!!

Ai eh serio isso de que é a ultima semana =(...Sentirei muita falta desse casal incrivel =(

Será que o próximo será assim viciante??


Beijinhos =**

Lívia disse...

Quero dizer que além do entretenimento aprendii muito. Não foram simples historinhas de livro de romance, mas sim capítulos de conhecimentos!

Adorei. E pena que está chegando ao final.. mas que o próximo venha cheio de novidades!!! ;)))


Lii, grande beijo e continue com seu sucesso brilhando! ;))


;*******

Lívia disse...

ahhh, como posso esquecer...

beijoo "ni" você Deiiiiiiiiisinhaa!!

;))))))))

mell disse...

concordo com a lucy!
o livro devia ser proibido para mulher carentes!
shushuuahshauashhsh
q coisa mais amada do mundo esse ruan =)

meninas.. vamos fazer um protesto, todo mundo dizendo naum ao final do livroooo!
hehehehe

beijinhos li linda =*