27/10/2007

Cap 60: Novo roteiro (Jeni)

Eu não sabia o que me esperava nesse baile, nem que pessoas veria lá ou que tipo de comportamento deveria ter. Tudo era tão novo para mim, mas, no fundo, sentia-me estranhamente como se já estivesse habituada àquela rotina.

Enquanto terminava de prender o meu cabelo na frente do espelho do banheiro, refletia sobre meus sentimentos, cheguei a conclusão de que era porque Ruan estava comigo. Algo dentro de mim o reconhecia como uma corda de segurança que me prende a uma coisa maior e não me deixa cair.

Passei maquiagem no rosto e um pouco de perfume no pescoço abaixo das orelhas. Olhei para os vidros de perfume e me perguntei se eu o havia pego aleatoriamente ou meu reflexo condicionado tinha me feito escolher o que eu mais gostava. Alinhei os frascos e constatei que eu usara era o mais vazio de todos.

_Será que estou conseguindo me lembrar? _ ri feliz por aquela fagulha de esperança, mesmo que tão pequena. Era parte de mim vindo à tona.

A porta do quarto estava fechada, passei pelo corredor e fiquei esperando na sala Ruan terminar de se arrumar. Vi um paletó cinza pendurado nos braços da cadeira da mesa. Aproximei-me e reparei que na altura dos ombros tinham estrelas. Passei os dedos para sentir o relevo delas. Um flash de imagem percorreu minha mente. Fechei os olhos. Vi um lugar com muitas pessoas que falavam alto, parecia uma festa. E apareciam várias dessas estrelas no ombro dos homens.

Abri os olhos e corri para o móvel de fotografias. Procurei em cada porta-retrato.

_Foi no dia do nosso casamento! _ falei exultante, quando encontrei a imagem que viera a memória.

Não pode ser, não pode ser! Eu estava lembrando!

Senti novamente vontade de ir ao banheiro. Voltei até lá e quando cheguei na sala outra vez Ruan estava de costas para mim, mas já vestido com o paletó cinza da farda. Ele ouviu o barulho dos meus passos e virou-se.

Eu o olhei da ponta dos pés até o alto da cabeça. Estava muito bonito e meu coração disparou. Era eu que sentia aquilo ou a Jeni dele que havia dentro de mim? Não importava, eu já estava sem fôlego.

_Quero que me responda uma coisa. _ pedi. _ É esse o perfume que eu mais uso. _ apontei para o meu pescoço, timidamente.

Ele caminhou na minha direção até parar à minha frente. Não precisava se aproximar mais para sentir o aroma, mas mesmo assim ficou tão perto que sua respiração balançava os poucos fios soltos do meu cabelo.

_Na verdade, você não gosta muito desse. _ riu.

_Não? _ franzi a testa. _Hum... _ fiquei desapontada.

_Sou eu que gosto, por isso usa. Você lembrou?

_Não sei se eu lembrei, mas foi o primeiro que peguei, então pensei que alguém dentro de mim estava certa do que queria e estranhei a reação impulsiva de pegar aquele vidro.

_Eu gosto de acreditar em toda pequena ponta de esperança.

_Eu também. _disse-lhe.

_Vamos?

_Vamos. _ dei dois passos à frente.

_Jeni? _ ele tocou meu braço.

_Hum. _ virei meu rosto para trás.

_Eu... _ não encontrou as palavras que buscava.

_Você...? _ levantei as sobrancelhas.

_Eu queria me desculpar por todas aquelas coisas de hoje à tarde.

_Coisas? _ olhei para os lados e depois voltei a encará-lo, rapidamente. _ Tipo me chamar de chata, infantil e imatura?

_É. _ riu de nervosismo. _ Eu não devia ter feito isso, eu fui indelicado.

_Indelicado, grosso, estúpido, escr...

_Hei!

_Eu estou brincando. _ sorri. _ Esqueça!

Ele sorriu também e me ofereceu o braço.

Quando chegamos à festa, senti os olhares das pessoas se voltarem para nós como se fossemos o casal popstar esperado.

_É impressão minha ou viramos o foco das atenções? _ falei baixinho, tentando manter o sorriso e retribuir o aceno para aqueles que nos cumprimentavam de longe.

_Eles leram tudo nos jornais.

_Que maravilha... _ continuei sorrindo. _... Me sinto nua agora.

_Vejo que estão bem. _ um senhor aproximou-se de nós e Ruan o cumprimentou efusivamente. Tentei ser o mais cordial possível e troquei dois beijinhos com sua esposa.

Quando eles se afastaram, Ruan riu.

_Acho que ela não vai dormir hoje tentando entender sua atenção.

_Entender o quê?

_Você odeia ela.

_Odeio? _ ri.

_É, uma vez tive que separar você duas porque estavam se estranhando lá fora como quem fosse entrar para o primeiro round de uma luta transmitida via satélite.

_Que gafe! _ ri mais ainda, absolutamente constrangida.

_Essa é a Jeni.

_O quê? _ perguntei, novamente sem entender.

Ruan caminhou para uma área ao ar livre fora do salão, onde algumas mesas vazias ficavam longe do barulho da música e do agito das pessoas.

_Por que eu pareci com ela, quero dizer, comigo agora?

_É estranho... Eu sinto que você, ela, você... _ ele riu.

_Não se preocupe, eu entendi. _ achei graça também.

_Você não lembra, mas tem reações que ela teria. Como agora, se divertindo de umas situações que a Jeni que eu conheci no início não riria. Se você só se lembra até o estágio anterior ao nosso encontro, então, deveria agir só como era antes! A Jeni mais madura e a Jeni inexperiente se alternam. Pareço ver uma peça de teatro com duas personagens que, entre o abrir e fechar das cortinas, assumem o palco separadamente em diferentes atos.

_Eu sinto muitas coisas também. Se você vê um filme que comprou o DVD e tem ainda vontade de rever algumas cenas preferidas, é só aperta o play e ver de novo. Mas a minha memória não traz de volta os bons momentos. É como se eu tivesse uma vida vazia. Não importa o quão ruim é o nosso destino, quantas quedas sofremos, temos todas elas para lembrar que podemos ser melhores e somos capazes de superar. Eu só levo comigo uma folha em branco.

_Se não conseguir encontrar o seu filme, então use a folha em branco para escrever o roteiro de outro.

_É triste não ter passado.

_É triste quando o passado que se tem não se quer lembrar. _ ele sentou-se.

_Por que diz isso? _ pus os cotovelos sobre a mesa e fiz um ar de quem está disposta a ouvir tudo.

_Se eu contar, você não vai acreditar... _ sorriu envergonhado. _Aliás, tem coisas que e a gente só deveria contar uma vez na vida... _ riu alto de si mesmo. _ ... porque elas demandam muita energia. Eu lembro de todas as suas reações e da raiva que sentiu de mim. Imagina ver tudo isso novamente no seu rosto agora? Não, vamos mudar de assunto.

_Conta. _ pus a mão sobre seu braço.

Ruan respirou fundo e me olhou como quem me estuda para saber se eu estava preparada para o que ia descobrir.

_ Eu já fui apaixonado por sua mãe.

Eu engoli em seco e tentei não dizer nada. Não teria a reação que ele esperava, me agüentaria. Por mais que no meu interior eu estivesse muito surpresa.

_Na verdade, namoramos. Mas Elisa fez muitas coisas que me machucou.

_Não duvido, ela me deixou e isso posso lembrar claramente.

Ruan contou-me que minha mãe havia tentado convencê-lo de que esperava um filho seu e depois o abortara. Acrescentou que isso o motivara a tentar acabar com a própria vida, mas que o destino o deu mais uma chance. Explicou em detalhes como foi nosso encontro e as brigas que tivemos. Relatou-me também o episódio de Daniel e, finalmente, a nossa briga anterior ao casamento por causa da visita inesperada de minha mãe, que tentou nos separar.

_Vivemos intensamente muita coisa! _ exclamei.

_Muito. A gente se debateu contra o que sentíamos. Era essa a origem de tantas guerras que travamos. Você não sabe do que é capaz!

Ruan me fez rir narrando o episódio em que troquei os ring tones do seu celular e coloquei fotos de homem em seu computador.

_Eu não fiz isso! _ diverti-me.

_Agora é engraçado, mas, no dia, eu fiquei tão irado que quis te esganar! _ gesticulou. _ A gente parecia que ia lutar até um dos dois cair morto como os gladiadores. Mas descobrimos que podíamos usar toda aquele sentimento forte para sermos felizes.

_Se alguém contasse nossa história para mim eu iria achá-la a mais linda que já ouvi.

_E a mais louca também!

_A gente não vive de monotonia. _ disse-lhe.

_Pela primeira vez você não falou em terceira pessoa. _ observou.

Eu sorri e olhei para o lado timidamente.

_Vamos dançar? Viemos aqui para isso. _ sugeriu.

_Com a barriga desse tamanho?

_Que tem? _ ele levantou-se.

_Não! _ segurei sua mão quando ele me puxou. _ Por favor, não quero aquelas pessoas me olhando.

_Você sempre gostou...

_Por favor.

_Tudo bem.

_Podemos dançar aqui, se quiser.

Ele colocou sua mão por trás da minha cintura e eu me senti desajeitada. Rimos os dois até ficarmos sérios novamente.

Enquanto a música nos envolvia, novamente aqueles flashs me vieram à cabeça.

_Está se sentindo bem, Jeni? _ perguntou.

_Não... Só umas coisas que estão passando na minha mente. _ levei a mão à testa.

_O quê? _ não entendeu.

_Eu sinto que já estivemos aqui e essas pessoas... _ eu parecia estar confundindo-me nas próprias palavras.

_Que ótimo! Isso aconteceu mais de uma vez?

_Sim. _ sorri feliz. _ Está funcionando. Ficar perto de você me faz ter sensações.

_Não posso acreditar!

_Mas calma...

_Claro! Nada de grandes expectativas! Quer ir para casa? Já está tarde mesmo.

_Pode ser. _ aceitei.

Quando chegamos, fomos para o quarto trocar de roupa. Sua mãe já tinha ido dormir. Ruan pendurou o paletó da farda cinza no cabide e depois caminhou até a poltrona. Provavelmente, ia começar a tirar os sapatos no seu ritual de se despir.

_Você não tem curiosidade? _ ele perguntou, de repente, virando-se para mim.

_Do que?

_Hum... de saber o que pode sentir quando me beijar?

_Isso seria um tratamento de choque!

Ele riu e balançou a cabeça para os lados.

_Deixa para lá! _ desistiu da idéia.

_Ok, pode ser. _ falei, tentando ser fria. _ Me beije, anda, me beije, eu tenho que sentir alguma coisa. _ pus as mãos na cintura e apertei meus lábios um contra o outro para me preparar. Respirei fundo. _ Quem mal tem nisso? Se eu te conhecesse em um bar, rolasse um clima e eu quisesse te beijar, não precisaria te conhecer, não é verdade? _ comecei a tagarelar enquanto Ruan fechava a porta do quarto. _ Vamos lá, me mostre por que eu me casei com você. Pode começar, anda logo.

Trilha Sonora(Clique aqui)

_Feche os olhos.

_Ãnh... Hum...

_Feche os olhos. _ pediu de novo.

_O que v...

_Feche os olhos. _ repetiu.

Fechar os olhos aumentava meu nervosismo, porque eu não poderia prever os seus movimentos. Sua presença física aproximou-se de mim e eu senti sua mão delicadamente percorrer o contorno dos meus braços, encostando delicadamente apenas nos pêlos, sem tocar na pele. Depois sua respiração quente no meu pescoço de um lado passou para o outro.

_Não existe mais nada. _ falou baixinho tão perto dos meus lábios que eu já praticamente podia sentir que ia tocar os meus. _ Nem passado, nem futuro, só agora. _ Deixou seu hálito quente sobre minhas pálpebras e a pele das minhas faces. _ Deixe seu corpo leve e solto. _ dedilhou o meu cabelo. _ Permita que sua alma fique livre para se encontrar de novo com a minha. _ sua boca roçou o meu pescoço e me provocou um arrepio, meneei a cabeça para o lado e seu rosto ficou entre meu queixo e o ombro.

Ele contornou o meu corpo girando em torno de mim e afastou meu cabelo para beijar as minhas costas. Abriu o zíper do meu vestido e delicadamente abaixou as alças. Quando novamente ficou diante de mim, eu abri os olhos e me senti a ponto de cometer um impulso de beijá-lo, só precisava de um pequeno gesto seu. Os dois ao mesmo tempo se precipitaram para frente e nossas bocas se fundiram.

Eu queria seus lábios como se tivesse esperado por eles por muito tempo. Senti-os macios e molhados entre os meus. Segurei seu rosto com as minhas duas mãos e parecia já ter feito aquilo desde sempre. Meu corpo o reconhecia e sabia para onde guiar minhas mãos.

Ruan aumentou o ritmo e começamos a ficar ofegantes. Ele caminhou de costas até sentar na cama, inclinei meu rosto e o beijei mais uma vez longamente a boca. Deixei meus dedos percorrer o cabelo espetado da sua nuca.

_Você quer passar parar o que vem depois disso... _ ele perguntou, afastando seus lábios dos meus.

_Se eu pudesse parar...

_Eu também não posso mais. _ ele levantou-se e tirou a blusa branca de botões e, antes que pudesse se livrar dela dos seus braços, beijou-me mais uma vez com uma pressa irrompida.

Se eu nunca havia passado por aquela experiência como podia sentir que estava tudo sob controle?

Envolvi seu pescoço com meus braços quando já estávamos sobre a cama e ele me amou com uma busca profunda. A corrente de energia que percorria todo o meu corpo elevou minha temperatura e os flashs de memória se tornaram mais intensos, mas eu não queria interromper nossa união física com palavras.

Com a mesma delicadeza que começamos chegamos ao ápice de olhos fechados e imersos no abstrato do prazer. Até que ficamos sobre a superfície da paz plena e silenciosa.

_Eu estava com muita saudade disso. _ sorriu para mim e acariciou meu rosto admirando-me.

Puxei sua nuca para me beijar mais e eu não quis parar de sentir o contato entre nossos corpos. Eu não lembrava de tudo que vivemos no passado, mas podia inexplicavelmente sentir.


Li Mendi

6 comentários:

KÁKÁ disse...

EBA primeira...
nossa lindo lindo os dois... nossa nem sei oq dizer..ele está conquistando ela e ao msm tempo eles estão interligados a uma energia maior do q a da menoria..acho q ai está a ligaçao dos coraçoes...o q Deus une nd separa enm sequestrador nem tiro muito menos a elisa...rs...
li vc eh d+..quero um ruan p mim..AUihaiHAIUha
será q vou encontrar..rs..
bjuuuu

sarah disse...

Lindo lindo lindo simplesmente lindo!!!
Eu sabia q ele ia ser capaz d conkistar ela e perdir desculpa pelo jeito grosso!!
Ai q lindo!!!
q sdd do meu amorrrr
bjs Li ve se coloka as letrinhas azuis mais rapido possivel rsrsrs

Lucy disse...

Aiiiii que maravilha!!! Ela já tava querendo faz teeeeeeempo, só esperou ter uma oportunidade pra dizer q nao era porque quisesse e, sim, pra ajudar a lembrar... hahahahahaha

Muito lindo!!! \o/
E ela já tá comçando a lembrar!!!

Li, que lindo!!!! \o/
A narração ficou tão suave... aiai *suspiro*... =)

Li disse...

Sim!!
O amor é belíssimo!
Saudade do meu também...
Rs.

titta_* disse...

pere eu nao terminei de ler ainda..mas...

ta brincando,Li!?!
golpe baixo!! The OC nãããão...
é de tocar o coração! é mh serie favorita!
kkkkkkkkkk.../me viciada demais!
meu lado adolescente à tona totalmente!!
amo! #)
sim..mas voltemos ao beijo! =P

mell disse...

palmas, palmas e muitas palmas \o/ \o/
q lindoooooo!!
da vontade de ler e naum parar maisss!
hj li uns 4 ou 5 capitulos juntos e quero mais e mais!
huhsahshsahsuhsuahs

li lindaaaaaaaa =*