26/10/2007

Cap 58: Sexy, come and get it (Jeni)

Ruan pareceu-me bem simpático e divertido ao primeiro contato. Minha mãe disse que ele era um pouco sério demais e uma pessoa dura de se lidar. Eu não entendi porque me passava uma imagem assim daquele homem. Pelo contrário, tentava fazer com que nosso contato fosse amistoso e sem pressões para que eu bancasse sua mulher.

_Vamos sair pela porta dos fundos, ok? _ ele me disse, guiando a cadeira de rodas.

Pelo corredor, Ruan foi cumprimentando as enfermeiras e todos aqueles que conviveram conosco durante o período em que estive no hospital. Achei até simpático da sua parte. Mas, o ponto fraco para atingir o seu mau humor era quando via jornalistas. Foi o que aconteceu assim que um guarda abriu o portão para nós.

_O que eles fazem aqui? _ assustou-se com todos os flashs que foram disparados sobre nós. _Por favor, dêem passagem, ela está precisando se recuperar, por favor, saiam da frente.

_Jeniffer, é verdade que você perdeu a memória? _ uma jornalista perguntou, enquanto Ruan me ajudava a entrar no carro.

_Como eles sabem? _ perguntei enquanto ele ligava o carro.

_Alguém do hospital deve ter mantido eles informados sobre tudo.

_Alguma daquelas pessoas que você cumprimentou antes de sair?

_Quem sabe? Não se pode confiar em todo mundo... _ balançou a cabeça para os lados.

Entramos em uma rua comprida, de casas praticamente iguais umas às outras. Bonitinhas, com telhados vermelhos e fachadas brancas.

_Isso é uma vila?

_Sim. _ respondeu ele. _Vou te ajudar. _ Ruan me deu a mão para eu sair do carro e a manteve em volta da minha cintura.

_Não se preocupe, eu posso andar perfeitamente. _ disse-lhe.

Um cachorro veio correndo nos receber aos saltos.

_É o nosso cachorro? _ sorri e quis me abaixar para tocá-lo, mas a barriga já grande me atrapalhava um pouco. _ Como se chama?

_Juanito.

_Vocês deram o seu nome ao cachorro?

_Não, é com “J” e não com “R” e quem deu o nome foi você. Por que falou de nós, como se estivesse em terceira pessoa?

_Desculpe... Eu me sinto assim.

_Tudo bem. Vamos entrar. _ ele indicou o caminho.

Uma mulher apareceu na cozinha com o rosto amassado e cara de sono.

_Olá, minha querida, que bom que está de volta. Rezei tantas novenas para isso!

Eu sorri e olhei para Ruan.

_Minha mãe... _ me apresentou.

_Oi!

_Oi. _ ela me abraçou efusivamente.

Pelo visto, eu era muito querida naquela família.

_Eu vou voltar a dormir, vocês precisam de alguma coisa? _ perguntou.

_Não, não. _ Ruan dispensou suas preocupações. _ Vem, Jeni. _ chamou e eu o segui pelo corredor.

_Ruan, me diz uma coisa: quem ficou com meu cachorro?

_O Fred?

_É.

_Você não lembra? _perguntei.

_Para variar... não.

_Aiii, vai começar tudo de novo. Quando eu pensei que já tinha acabado com este assunto...

_Quê?

_Olha, antes que você comece a fazer um escândalo, agora você tem um cachorro e um peixe.

_Cachorro e peixe? Mas o que isso tem a ver com o Fred?

_Eu matei o seu cachorro.

_O quê?!

_Eu disse que não era para gritar!

_Bom, eu acabo de saber que casei com o cara que matou o meu cachorro?

Ruan revirou os olhos e sentou-se na pequena poltrona de canto do quarto. Começou a desamarrar o tênis.

_Foi o seguinte. Como lhe falei, seu padrasto morreu. No dia que eu fui lhe dar a notícia, você desmaiou. Eu pedi para um soldado despistar o cachorro, sei lá, dar um tiro na pata, coisa assim, porque o soldado ia pular o muro...

_Meu Deus, você é um monstro!

_É, você já me disse isso vinte vezes, pode acreditar. _ garantiu-me._Mas eu não tenho culpa que o cara tenha descarregado no bicho. _ desculpou-se

_Descarregado?! _ sentei-me na cama.



_Olha só, Jeni, eu não queria que tivesse acabado desse jeito. _ Ruan ficou parado na minha frente. _ Eu sei que você está triste agora, como ano passado... _ sua voz ficou abafada por causa da camisa que acabava de tirar, puxando-a pelo pescoço. Com apenas aquele movimento de suspender a camisa, seus músculos se contraíram sobre as costelas e formaram um quadro de curvas e reentrâncias nunca antes vistos por mim fora das revistas das bancas de jornal.

Esqueci o Fred por uns segundos e meus olhos se fixaram naquela barriga definida e o peitoral musculoso. Poucos pêlos, mas que faziam caminhos pelo abdômen, caminhos esses que, de repente, seguiam na contra-mão, viravam rodamoinhos, trilhas. Jeni! Acorda, alouuu, girl?

_... E você gosta muito do Juanito agora, concentre-se nisso! _ continuou a falar o que eu nem mais conseguia prestar atenção. Ele abriu o cinto da calça, puxou o zíper até embaixo e vi sua cueca branca, com um coz de elástico grosso escrito "sexy, come and get it".

Eu virei o rosto para o lado e evitei observá-lo.

_... Por favor, tem como não falar sobre seu cachorro durante mais meio ano? _ pediu.

Novamente o encarei. Ruan segurou o coz e abaixou a calça. Comecei a rir de nervosismo.

_Que foi? _ perguntou.

_Nada! _ controlei o riso. Estava sem saber onde colocar as minhas mãos, cocei a nuca, coloquei-as na cintura e, por fim, cruzei os braços.

_Não se preocupe..._ piscou para mim._... é tu-do seu._ Caminhou para o banheiro.

Instintivamente, fui virando a cabeça e seguindo-o com os olhos para vê-lo de costas e que costas eram aquelas?! Jeniiii!

Ele tirou a cueca e vi a marca de queimado da sunga de praia que tinha sido deixada ali para o deleite de poucas, quero dizer, eu ver. Mumurei bem devagar:

_Aiiiii, meu Deus!

Ruan deixou a porta do banheiro aberta. Caminhei até lá e fiquei conversando com ele enquanto tomava banho dentro do box de vidro fosco.

Sentei-me na tampa fechada do vaso.

_O que mais eu preciso saber? Você me deu um peixe e um cachorro. E daí?

_Bom, o que mais você quer saber? _ ele abriu a porta do box e o vi completamente molhado, sob a ducha do chuveiro. Passou a mão no rosto para se livrar da água e me olhar melhor.

Virei-me para a parede, abruptamente, mas não adiantava fugir, lá estava sua imagem refletida no espelho.

_Ora, você gostava de ler meus livros, ouvir música, tem um computador no seu quarto..._ esfregou o sabonete no corpo.

_Eu tenho um quarto só para mim? _ perguntei.

_Tem! _ Ruan terminou o banho, saiu do box e buscou a toalha pendurada.

_Aaaah! _ gritei e tampei a boca com a mão.

Como se fosse a coisa mais natural do mundo, começou a secar as costas esfregando a toalha em um movimento de vai e vem.

_Pior que tem! Quando você veio morar comigo, fizemos um quarto para você. Minha mãe está dormindo lá agora.

_Ãnh... _ engoli em seco.

Ruan continuou secando agora a cabeça, enquanto eu estava bem de frente para ele, na altura respectiva... Isso mesmo, eu não tinha nem voz para falar. Meu cérebro parou!

_Mas, por enquanto, você vai dormir comigo. É melhor, você vive pedindo mil coisas e, estando do meu lado, já ajuda. Fico menos preocupado. Tudo bem para você?

_Tudo... _ levantei as sobrancelhas e franzi a testa. _ Tudo..._ recuperei o fôlego._... Tudo ó-ti-mo.

Ele caminhou de volta para o quarto e eu fiquei ali. Pa-ra-da, imersa ainda na nuvem quente de fumaça.

_Uauuu! _ balancei a cabeça para os lados e me levantei.

Ruan colocou uma pilha de almofadas e travesseiros e eu perguntei para quê aquilo.

_Para seus pés que ficam sempre inchados. _ informou.

_Hummm... _cocei a nuca. _... Tem como você dormir vestido? _ perguntei, constrangida.

_Eu estou vestido. _ ele deitou-se de bruços.

_Bom, com alguma coisa maior que esses poucos centímetros quadrados de cueca!

Ruan levantou-se batendo o pé e resmungando.

_Que maravilha! _ abriu o guarda-roupa e retirou uma camisa branca. _ Está bom assim? _ caminhou de volta para cama.

_Não tem nenhum shortinho não? _ pedi.

_Aiiiiieeeeeeeee! _ voltou para buscar uma bermuda comprida até o joelho. _ Quer que eu coloque os sapatos também?

_Não, assim está bom.

Ele se jogou de bruços no colchão.

Fiquei olhando para o teto, não conseguia relaxar, nem dormir.

_Que foi? Está estranhando a cama? _ perguntou.

_Basicamente isso... a cama e todo o resto.

_Vem cá... _ ele sentou-se. _... Vire de lado, nesta posição de barriga para cima você faz muito peso sobre a coluna. _ indicou-me como eu deveria ficar. _ ... Agora feche os olhos. _ pediu.

Eu fechei e senti sua respiração próxima ao meu pescoço. Ele puxou os fios do meu cabelo para trás e fez carinho na minha cabeça.

_Tenta relaxar completamente que o sono vem...

De repente, eu não vi mais nada.


Li Mendi

(Trilhas da vida atualizado! Visitem ---> http://www.trilhasdavidalucyli.blogspot.com/<---- Imperdível!!!)

7 comentários:

Lívia disse...

Tá começando muito bom isso aquiii!!!!


hahha, dei várias risadas!!!
A Jeni continua a mesma, mesmo. ;))

E o Ruan, melhor ainda!! hahahhaa


Lii, tá ótimo!!
beijooooooos! ;**

Li disse...

hahahahahah simmmm esses dois são duas peças mesmo!!!! hahahahah


Beijuuuuuuuuuusssss

Hj o rio amanheceu c um sol maravilhoso.
Outra coisa!

elaine disse...

Este capítulo ficou ótimo!! Eu ri mto! E todo esse negócio da reconquista é mto bom... hehehe

beijos!

titta_ disse...

Li!! =)

peguei de novos os 3 ultimos capitulos de uma vez! andava meio sem tempo..

essa historia ta cada vez melhor! é mesmo mto lindo isso de conquistar a msm pessoa mais de 1 vez!..e vc ta descrevendo de um jeito tão divertido tb!
não pude conter a gargalhada com -de novo!- a volta ao assunto "Fred". depois de tanto trabalho q o pobre Ruan teve pra fazê-la perdoá-lo =P

ta mto bom isso aqui,Li!
=*******

sarah disse...

Li oq q é isso meu Deus
nossa deu kd gargalhada aki!!
esses dois são td msm!!!
Meu Deus fikei imaginaod o corpo dele nossaaaaa...
Ufa oq bom qtu começou mt bem contiua assim!!!
srrsrs

mari disse...

huhauhauhauahua...
Excelente....
O Ruan jogou sujo hein???
Mas foi cômico.

Li...tá mto mto mto mto bom

Lucy disse...

AHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!! QUE PERFEITOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!

ATENÇÃO: CAPÍTULO PROIBIDO PARA MULHERES EM ESTADO DE CARÊNCIA!!!

HUAHUAHUAHUAHUAUAUHA

Liiiiiiiiiiiiiiii, ficou UM SHOW esse capítulo!!! UM SHOW!!! Muuuuito bom!!! auhahahahahahahaha

Ela ficou completamente desnorteada!!!!!!!!! Deve ter parado, alisado a barriga e pensado "poutz, agora eu sei porque eu fui pra cama com ele!!!"

huahuauhahuaa \o/