05/10/2007

Cap 37: O passado à porta (Ruan)

_ Oi. _ ela sorriu com as mãos de sempre enfiadas nos bolsos do jeans, com os cabelos ruivos de sempre livres sobre os ombros, com os seios de sempre espremidos entre os bojos apertados do sutiã, com o olhar de sempre me fitando em desafio. Era a mesma, apenas com alguns retoques feitos pelo tempo. _ Vai ficar parado aí me olhando?

Era o meu passado à porta, como se eu acordasse em algum dia de quinze anos atrás.

Pensei em abaixar-me para recolher os vidros, mas não tinha ação muscular, todo o meu corpo permanecia enrijecido e catatônico.

_Como me encontrou?

_Se eu estivesse procurando um soldadinho qualquer, a não ser que ele se chamasse Ryan... _ ironizou o nome por causa do filme “O resgate do soldado Ryan”. _ ... eu provavelmente não acharia. Agora, como se trata de um capitão, tudo muda de figura. Basta acionar as fontes certas.

_E para que você quer me ver? _ meu cérebro voltou a sua velocidade normal de cognição.

_Você sabe.

_ ... _ suspirei fundo.

_ Não vai me convidar para entrar?

Eu olhei para dentro e abri mais a porta. Ela passou por mim e se pôs ao lado do sofá. Deslizou sua mão sobre o estofado sentindo sua maciez, enquanto os olhos fotografavam mentalmente todo o ambiente.

_Bonita sua casa e arrumada. _elogiou.

_É. _ fechei a porta.

_Não era assim quando estávamos juntos. Você era um bagunceiro.

_As pessoas mudam. _ disse-lhe.

_E você deve ter mudado bastante mesmo, pelo visto... _ virou-se para mim.

_Eu fui tão ruim assim para você?

_Não. Na verdade, Ruan, você foi o que não precisava.

_... _ cruzei os braços.

_Você era só um garoto bobo, todo complexado, que não tinha a menor capacidade de seguir o ritmo de uma mulher madura.

Era igual, a mesma sapateadora de sentimentos.

_E para quê, então, precisa de mim? _ repeti a pergunta.

_ Não mudou a aparência, continua em forma. _ chegou bem perto e me olhou inteiro. _ Como da última vez, lembra? _ acariciou o meu braço.

_Não me toque... _ afastei-me dela. _ Aquilo não deveria ter acontecido.

_Mas você quis.

_Eu quis porque não sabia. _ expliquei.

_E, se soubesse, teria feito o mesmo, movido pelas suas paixões sujas.

_Eu mudei! _ gritei.

_Não foi o que me pareceu, quando nós...

_Aquilo é passado, totalmente passado!

_Não foi o que senti quando você estava dentro de mim.

_Elisa, eu não te amo, ok? Acabou, final, ponto, fim! Quando eu te reencontrei, confesso que tinha dúvidas ainda, queria saber como seria se...

_ ... Me sentisse em seus braços outra vez?

_É, é isso mesmo! Só que, quando descobri que você estava casada, eu me senti traído, usado!

_Ó, que sentimental você se tornou, Ruan. _ ironizou.

_ Elisa, eu não posso amar alguém que não tem o menor escrúpulo. Ele era um cara muito legal, nos conhecíamos, como pôde não ter me dito?!

_Ele nunca soube!

_Ele nunca soube que era eu, mas desconfiava de alguém e eu sabia que era eu, percebe? Consegue ver o quanto você me fez mal? Tive que carregar essa culpa!

_ Tudo isso só por causa de uma noite?

_Como vê, para você foi “só uma noite” e, para mim, foi uma terrível sensação de ter cometido uma grande burrada.

Não adiantava eu continuar gritando minha raiva, falando meus ressentimentos para Elisa a todos pulmões. Ela não prestava atenção e nem se interessava.

Comecei a sentir-me mal. Os flashs na minha cabeça passavam em uma velocidade dolorosa. Eu podia ver seu sorriso ao me encontrar na rodoviária e eu, vestido de cadete. Depois, nós dois dividindo a notícia da gravidez. Minhas noites de insônia, perambulando feito um alucinado. A verdade sobre seu aborto e a traição. O vidro de remédios ao lado da cama. Os delírios e a escuridão. Minha mãe chorando ao me ver no leito do hospital. Os anos sozinho, carregando o fardo de terríveis lembranças. Tempos de quase promiscuidade para não permitir que o coração amasse de novo. O reencontro com Elisa e nossa noite efusiva. A revelação vinda de sua boca de que estava casada, entre um trago e outro do cigarro entre os dedos. O seu marido, que eu conhecia, desconfiado. Meu arrependimento profundo. A morte total de tudo que ainda restara de afeto. Um grande amor se virara em repulsa!

Agora, ela estava ali querendo mais o quê de mim? Elisa já tinha tentado me destruir inúmeras vezes e quase conseguira! Por aquela mulher eu, por pouco, não perdi a lucidez. Queria apenas distância! Mas parece que a vida não me poupa destes desagradáveis choques de caminhos. Eu fugia, mas logo ela me aparecia com uma surpresa ruim. Sim, porque vê-la não era bom, me fazia sentir que eu era um homem ruim.

_Elisa, eu não acho que tenha vindo aqui à toa, então, diga o que você quer!

_Eu quero meus direitos.

_Que direitos?

Ela aproximou-se dos porta-retratos com fotos minhas e de Jeniffer.

_Não toque nisto!

_Soube que você vai casar, Ruan. _ falou-me com uma voz que me deu medo.

_Seus informantes são bons mesmo.

_E ela já sabe o quanto canalha e galinha você era?

_Larga isso... _ tentei pegar o porta-retrato, mas ela foi mais rápida.

_Eu não vou deixar você casar com ela.

_E quem é vo-cê... _ gritei agora furioso. _... para mandar no meu destino e na mulher que amo de verdade?

Elisa aproximou o seu rosto do meu. E foi com olhos faiscantes e voz estridente que gritou:

_Eu... _ apontou para si e depois para a foto. _... sou a MÃE dela! E... vo-cê... _ bateu com a ponta do indicador no meu peito. _... Sabe disso!

_Amor, cheguei! _ ouvimos a voz de Jeni da cozinha.


Olhamos os dois para o corredor.

Autora: Li
(lianotacoes.blogspot.com)

**"Fã Clube Ruan Forever" (Clique aqui)**
**Comunidade do livro (Clique aqui)**

25 comentários:

gaúcha disse...

AEAEAEAEAEAEEEEE NEM LI AINDA, MAS TB QUERO SER A PRIMEIRA UMA VEZ HEHEHEHEHEHEH agora vou ler... :P

Li disse...

kakakakakkakakakakakakakak
kakkaakkakakakakakakakakak
ok, espero vc ler.

gaúcha disse...

Aaaaahh, meu Deus!!!!
Como assim? Eu entendi errado ou ela disse q o Ruan sabia q ela era mãe da Jeni??? Será q li muito rápido??? :o

Li disse...

É isso aí!
Ele sempre soube que ela era a mãe da Jeni.
Mas pq, pq ele não disse?
E q diacho de direitos ela quer ora?
Tem muita coisa para o Ruan explicar.
Agora ele vai ter que ser bem didático e bom de argumentos para fazer a Jane entender isso...
Eu quero só ver.

Deisi, cadê o tal café que era para mim e só para mim?

rsrsrsrs

Beijos!

gaúcha disse...

Deisi, cadê o cafééééééé??? heheheh Não podemos deixar a Li parar!!! Gostei do "bem didático" pq eu tb viajei... como ele sabia? pq não contou? Só quero ver a Jeni agora... é mta coisa p uma noiva, praticamente na véspera do casamento!!! Coitada!

Lucy disse...

Akiiii!!!! Trouxe café!!! \o/

... gente... tô sem fala desde a hora que eu li "eu sou a mãe dela"... é sério!!!

Eu sabia q era a ex! E inclusive, durante a leitura do capítulo anterior, eu gritei: "É A MÃE DA JENI!!! E A MÃE DELA..."

E aí, já fui criando outas estorinhas na mente, mas não dava pra parar a leitura do capítulo pra ficar especulando!!! (rsss) PReferi correr e ver se era o q eu esperava mesmo! A Li conseguiu me surpreender!!! E eu achando q já tava "vacinada", mas a Li é demaaaaais! Rsss

Gente, depois dessa, espero qualquer maluquice nesse livro!!!

Que venham logo os próximos capítulos!!! Gente, gente, vou apertar a Li pra ela escrever logo outro hj, à 00:01hs !!! hehehehehehehe...

- Vai mais café "LuTiTTa", gente?

Li disse...

será q ela vai casar depois dessa?

Li disse...

nananinanãooo rs
agora só amanhã

hahahahah (risinho da bruxa keka)

brincadeira.

meninas que loucura q vai ser, pq o ruan vai ter q explicar tudo isso muuuito bom.

agora algumas coisas começam a se encaixar.

Deisinha Rocha disse...

*com um bocão aberto e totalmente pasma...


sem palavras....



Li, toma logo do café lutitta e escreve este capítulo, mana...


caracaaaaaaaaaaaa...


num creio nisso até agora...


hei Lucy, será q vendem vacinas anti-Li...

preciso de uma, pq eu tbm não espero mais nada...




e q coisa hein...

bom, deixa esse meu comentário pros próximos capítulos, pq aih kero ver se confirmo as minhs teses...



mas pera aeh...
éntão a garota filha da Elisa q morava com a avó era a Jeni... logo o cara q era amigo do Ruan era o padrasto da Jeni???

e logo...
como não pensamos nisso antes???

a p****** da mãe da Jeni + a p****** da ex do Ruan = Elisa...

e o Ruan...
deixa esse comentário pra próxima...



bjOo ni vc, Liii

e meninassss... bjOo ni v6 tbm...


Li, toma logo o café, Li... antes q ele esfrie...

gaúcha disse...

Li, 00:01 já é amanhã, né? heheheheheh Só pra relaxar um pouco dessa ansiedade que tu me deixaaaaa!!! Acho q vou dar uma lidinha lá no início na história de novo... bjo

Li disse...

sim, gaúcha, rs, leia do início pq é um monte de peças se montando... umas encaixam e outras não...

agora...

*Levantando o dedinho timidamente*

Po, aí, café puro? Não tem um biscoitinho não? Água e sal, ou maizena?

Ainda existe aquele de maizena da vaquinha?

Eu adorava!

Mas eu não molho o biscoito no café, eca.

Nadinha? Vai ser a seco? Se bem que... a molhado?

rsrs

ai ai deisiii bj ni vc lindinha da Li!

cade a titta?!!!

Deisinha Rocha disse...

"ela sorriu com as mãos de sempre enfiadas nos bolsos do jeans"

isso por um acaso, não é uma peça do caráter da Jeni????

hurum...

Li...
o biscoito q vc kiser...
vc merece...

melhora nesse dedinho aih...

acho ki vou fazer q nem vc gaúcha... só q eu vou ler pela terceira vez... rsrs

eitah... eu ainda num sei se fico com raiva do Ruan ou não, afinal, ele sabia... mas vamos esperar os próximos capítulos...

Deisinha Rocha disse...

achei melhor falar, se não eu vou explodir... acho que o maior preconceito/preocupação do Ruan em relação a Jeni, não era a idade e sim o fato da ex ser a mãe da Jeni...
Li, q nó vc ta dando nas minhas caraminholas...

Li disse...

hummmm vc ta chegando lá
so n tá melhor pq só tem o café aki meu biscoito da vaquinha nada
hahahahhaa

Tita disse...

Tô boba!

Fernanda disse...

oi Li,leio seus blogs desde janeiro qdo reencontrei um amigo q era fuzileiro militar e acabou virando um romancezinho,rs,me identifiquei imediatamente com suas histórias,mas só hj tive coragem de postar para elogiar seu trabalho,vc além de escrever muito bem,faz-nos entender esse mundo deles...
Infelizmente minha história não teve um final feliz,por isso q esse comentário é meio q uma despedida,ler suas histórias me faz acreditar no impossível e improvável,o q me tem dado uma dorzinha no coração ultimamente,mas não podia ir sem te dizer o qto mesmo a distância suas histórias foram importantes pra mim ...
Especialmente a da Bela e do Caio,já q o meu querido tb era um amigo de infância...
Um bjão e obrigado por tão belas histórias...

Li disse...

fernanda querida luz p seu caminho.
beijos! me deixou sem palavras e emocionada.

KÁKÁ disse...

nossa to chocada... po q isso..dah p complicar menos..rs..
tipo o pq dele n contar eh lógico..realmente ia ser dificil a jeni querer ficar com ele sabendo q ele eh ex da sua mãe e q td akilo aconteceu....
mais puta merda( desculpa o palavão..rs..) ning merece..q mulher mesquinha...abandona a filha e na hora q a filha tah feliz quer estragar a vida dela..pq? pq ela cacha dona do ruan depois de td q fez? ou pq viu q a filha c virou bem sem ela? ou pior c eh pq as duas pessoas q ela transformou a vida em um inferno c viram no ceu qnd c encontraram?
n sei soh sei q to com ódio dela..td q ia ser perfeito agora vai por agua abaixo dinovo..rs..

sarah disse...

Liiiiiii
Meu Deus diz q é mentira!!!!
diz por favor!!!
ñ acreditoooo
bjinhos

Anônimo disse...

Oi, Li! Qual é o livro q a Fernanda comentou aí em cima que os protagonistas eram amigos de infância, a Bela e o Caio? To interessa em ler pq tb é meu caso.
Aaah, são 23:38. hehehehe

mell disse...

ãããm??

peraii... vou dormir e amanha eu leio todo o capitulo novamente!
acho q o sono afetou meus neuronios!

Li disse...

Oi, Anônima!
Olha, veja aqui no perfil ao lado
---->
Tem escrito assim:
"Livros da autora"
Você vai ver aqueles que escrevi.
Esse especificamente do Caio e da Bela se chama "Um coração em Guerra", que inclusive o Ruan é um personagem que vai aparecer lá na história beeem no finalzinho, depois você vai ver e lembrar.
Bom, o link é:

www.umcoracaoemguerra.blogspot.com

Ahhh! Leia as instruções em cima de como acessar os arquivos, é a primeira coisa que aparece.

Beijocas e boa leitura, depois volte aqui para contar o que achou.

Li

Deisinha Rocha disse...

Aih Li...
toh mto curiosa pra ver a reação da Jeni...

hunffff...


acho q ela vai desmaiar... ou... ela vai gritar com a mãe... vai Jeni, chama ela ***** ...

rssrsrs

gaúcha disse...

Jeni... devolve as duas moedinhas de um real pra tua mãe pegar um onibus e desaparecer do mapa e pronto! hehehehehhhh
Liiii, estamos aguardando!!!

Ana Carolina disse...

sem noção...li, de onde vc tira essas idéias maquiavélicas?!meu Deus..como assim o amor do passado do ruan é a mãe da jeni,. que loucura...